segunda-feira, 22 de fevereiro de 2016

Pensamentos da Existência

Meu intuito não é escrever acerca do macabro ou tenebroso. É sim uma postagem de esperança. Lembrar das pessoas que já não pisam no mesmo solo que nós, dos mortos, e conjeturar suas perspectivas acerca do futuro, onde vivemos agora.

Só parei pra pensar em quantos sonhos, triunfos e histórias estão soterradas para nunca mais emergirem. Quantos desejos e vitórias germinaram tempos depois?

Quantos soldados, quantos guerreiros lutaram um sonho de liberdade perante um ditador? Quantas lutas foram travadas em busca de vingança? Quantos embates foram necessários para continuar respirando?

Quantas pessoas simples deixaram o circo da vida acreditando na melhora de condições de seus descendentes, de seus filhos e filhas? Seus esforços foram válidos? Até que ponto seus sucessores aproveitaram cada gota do seu suor no que foi deixado para trás?

Quantos visionários morreram sem terem visto suas ideias lograrem? Na crença, na fé, na confiança que suas ideias não foram utopismos desmedidos?

Escasso leitor, não fiques abismado com minhas divagações. Exprimo apenas meu puro e total respeito com aqueles que já foram os grandes atores quando eu, ou nós, nem imaginava em estar na coxia da existência, pois suas ações ecoaram até minha breve estadia neste palco, que já preparo para os próximos atores que vivenciarão seus papéis no futuro.


O Livro do Destino - Sandman



Será que alguém que nem sei se existirá escreverá algo sobre o que fizemos hoje?



domingo, 24 de maio de 2015

Um alento em meio ao fogo...

Em tempos em que Nietzsche previa uma crise de valores tal como vemos ao dobrar uma esquina, a própria sociedade se remodela e tenta transformar a esperança em algo crível e palpável.

Uma colega da caserna falou pra mim esses dias: -"...realmente, você parece bastante empolgado com o trabalho..."

O pessoal nota. Observa. Não percebemos pois estamos muito focados na tarefa árdua, na excelência da missão, onde cavaleiros escolhidos pelo Divino travam batalhas diárias contra toda a sorte de percalços que a vida é capaz de aprontar. E ela apronta. E bem. E muito. Mas não o suficiente para nos esfacelar, mas para enobrecer a luta.

Certa vez, uma sábia senhora onde em suas veias corre o mesmo sangue que o meu, proferiu: -"João, devemos passar adiante tudo que a vida nos deu, retribuiu, favoreceu para ajudar a quem precisa!". Ou seja, devemos ser beija-flores carregando uma ou duas gotas d`águas para tentar aplacar o apetite do fogo que devora a nossa sociedade. Fogo que devora países, economias, culturas. Que devora gente do bem e gente do mal. Devora gordos, magros, ricos, altos, crianças e amigos. Devora todas as profissões à procura de um profissional embebido de querosene.

"Fazer o bem sem desejar nada em troca!"

Eis que surge o GAC - Grupo de Articulação Comunitária - do Batalhão de Polícia Escolar do Estado das Alagoas, ministrando palestras nas escolas públicas, mostrando a importância do respeito, solidariedade e amor. Da cultura de paz e harmonia no ambiente escolar, sendo um novo fôlego a quem tem água até o pescoço.

Escola Estadual Francisco Alves Mata - Torneio Final - Maceió/2015


Em quase dois anos de existência, o GAC já é uma referência no âmbito escolar e uma nova forma de se fazer polícia por intermédio da prevenção, desmistificando a visão de polícia truculenta, grossa e bruta e uma aliada dos professores, colocando a segurança pública dentro das escolas. Graças ao trabalho de abnegados policiais, vemos que o caminho pode ser difícil, porém rejubilante. 


Sou apenas um pequeno beija-flor tentando apagar um incêndio.

segunda-feira, 5 de maio de 2014

Uma música para lembrar...

Solitarismo
(João Paulo Tenório)

Quero sim,
Que seja assim
Como uma nuvem lá em cima
Só pra te ver, pra te ver

Quero sim,
Viver assim
Numa eterna euforia
Na espera do meu bem querer, bem querer

Até você, vai perceber
Meu solitarismo não vai deter
O meu desvelo,meu cuidado
Por você, por você

E aí será o fim,
De tudo que é ruim
Meu eu reviveu
Ao lado teu, ao lado teu


Dizem que o ser humano deve plantar uma árvore, escrever um livro e ter um filho. Acredito que uma música deveria estar entre esses deveres. Requer uma certa sensibilidade, acho. Mesmo que seja '...desejo todas inimigas vida longa...", sério. Cada um contribui como pode, com o que tem.



Nem todo mundo é um Beethoven, um Cazuza, um Chico Buarque. Um Mc Naldo ou Anitta, Wesley Safadão ou um Salgadinho.

Uma vez um amigo me disse que eu levava jeito pra isso. Claro, óbvio, certamente não dei a mínima.  E que gostaria que num futuro eu fizesse algo pra ele, pois ele é músico. Profissional. Dos bons. Pior: não iria me rebaixar a esse nível. Mas quando o bolso aperta, a gente lembra de cada uma...rs

Ao meu amigo M.C.M.G.J, um grande abraço, sucesso e não ia deixar passar um pedido seu. Mas não peça novamente ( ah tá )!! A minha primeira música!!

É libertador escrever bobagens e não ser recriminado por isso!!


quinta-feira, 6 de março de 2014

Xadrez e a Isenção da Sorte

Pensando em qual seria minha próxima postagem, abro um largo sorriso quando lembro do xadrez.

Há dias venho concatenando as ideias para saber o que postar sobre xadrez. Posso discorrer sobre a origem. Ou como quando eu comecei. Quem me ensinou. Talvez sobre os grande mestres enxadristas que existiram. Ou as minhas técnicas e táticas num jogo.

O sorriso esmoreceu. Meus dentes, outrora radiantes, amarelaram-se. Eu quero ser sucinto, objetivo, claro e não prolixo como sempre sou, pois todo mundo sabe que demoro para falar, contando detalhes, os pormenores, o contexto, que  fico arrodeando, quem nem funcionários públicos estaduais em busca de uma margem para mais um novo empréstimo.

O que seria simples, fácil e rápido, começa a evoluir em dúvidas e angústias. Sei o bastante de xadrez para encher linguiça suficiente. Suas curiosidades. Partidas inesquecíveis. Sobre o quê escrever? Pronto! Escrevendo à sorte do destino, eis um tópico para ocupar esse post me surge como a primeira estrela do céu: Partidas Inesquecivelmente Curiosas.

Essa partida foi com um primo meu, juntamente com seu padrasto e mais um amigo meu. Nós quatro jogávamos naquele domingo em que Lula foi eleito pela primeira vez presidente do Brasil. Quem perde, voa. Após uma primeira partida suada contra o padrasto do meu primo, consagrando a minha vitória número um contra ele, quem jogaria depois? Meu primo bombado ou meu amigo beberrão? A força física sempre intimida força alcoólica. Então, meu amigo vai ao banheiro e no seu retorno eu já tinha vencido meu primo com o xeque-mate mais rápido que existe, sem saber. Dever de casa: pesquisem sobre o Mate do Louco. Ri alto, e muito, vendo a força física perder para a força da lógica, afinal não valia se meu primo dissesse que não tinha valido, ou não tinha graça ou qualquer coisa afim, a lógica da vez era irrefutável!

Ainda postarei mais sobre o assunto.

Ah, nesse dia venci 10 partidas consecutivas dos três...





quinta-feira, 27 de fevereiro de 2014

Sobre ciclos...

Na madrugada das ruas de Marechal Deodoro, berço da nossa República, antes e depois dos festejos do Ano Novo, vi tanto contraste que resolvi escrever algo. 

Pensei, refleti e percebo que o "Ano Novo" é um ciclo para todos nós que temos "face" para compartilhar momentos, inclusive como este, que temos a dádiva de comprar roupas, comes e bebes, talvez um smartphone Galaxy SIII, uma tevê nova para a copa ou um fogão novo; trocar um carro 2005 por um 2006, ou até mesmo trocar de amor.

Naquelas calçadas frias, vi um senhor barrigudo, de short vermelho e cabelo tipo cascão, completamente feio aquele corte, com uma latinha ao lado, de frente a uma casa fechada e apagada. Desconsolado.

Vi uma senhora de uns 40 e poucos anos, toda encolhida, bebendo uma latinha solitária enquanto passávamos, vendo a comemoração das outras pessoas ao longe.

Que "Ano Novo" aguarda pessoas como essas que eu vi? Refiro a eles, mas quantos anônimos não entendem o significado disso? Perguntam-se "O que é Ano Novo?" - " É tipo um ciclo que se renova." - Alguém tem o trabalho de responder. "O que é um ciclo?", questiona novamente o pária - " É quando as chances, oportunidades são dadas novamente; quando você termina algo que começou; quando certos acontecimentos tornam-se a se repetir sucessivamente..."

Nessa hora, o estorvo da sociedade se calaria. Não entenderia o cerne da resposta. Mas é enfático ao responder:

- "Nunca entenderei o significado de uma vida repleta de ciclos, onde todos tem uma chance. A minha vida, desde que me entendo de gente, é uma linha finita, reta, curta, onde não espero muito. Apesar de distante, sei como chegarei ao fim dessa linha. Do mesmo jeito que comecei." 

Então rezei por cada pessoa que não comemorava o Ano Novo de 2014.

sábado, 29 de dezembro de 2012

2012... Só pra não deixar batido

Como a correria corriqueira da vida corrói, certamente, os nossos costumes e comportamentos.

Último post meu: 28 de agosto de 2011. Exatos 1 ano, 4 meses e 2 dias, não é?

Praticamente havia me esquecido desse passatempo meu. Escrever bobagens. No entanto, volto com mais besteiras e bobagens acumuladas.

2011 foi um bom ano, mas não é o foco do post. Apenas uma menção para um ano que definiu certas conquistas.

2012 fincou ainda mais essas vitórias. Busquei, claro, buscar essa estruturação trabalhando muito, mas muito mesmo. O ano termina e eu estou esgotado. Mas era necessário. Entende agora o motivo de ter esquecido o blog? Sei que não justifica, mas...

Um ano no mesmo local de trabalho. Namoros. Bicos. Amadurecimento. Aprendi muito, acertei muito, errei o suficiente pra crescer e amadurecer as ideias. Afinal de contas, não só de glórias crescemos , concorda?

Tiramos lições valorosas, e espero que 2013 nos traga surpresas agradáveis, que o que vier pela frente, tenhamos força para enfrentar, superar e saber que nunca estamos sós. Espero colher sorrisos, evitar ao máximo lamúrias e lamentações e tentar viver uma vida completa, saudável e vigorosa.

Prometo que o próximo terá besteiras como de costume. Feliz Ano Novo!! Que venha 2013!!

domingo, 28 de agosto de 2011

Orgulho de ser um "Silva"


Grandes ídolos brasileiros carregam uma história de luta e perseverança para vencer os obstáculos que a vida impõe.

Talvez por isso, uma vitória nossa em qualquer esporte ou âmbito da vida seja motivo para comemorar, visto a falta de apoio e reconhecimento que aos poucos muda em nosso país.

Os americanos comemoram quando um nadador fantástico ganha numa mesma olimpíada 8 medalhas de ouro. E se ele tivesse ganho 2?? Seria um nadador mediano. Mas no Brasil seria um herói.

Lutamos para conseguirmos uma vida melhor para nós mesmos e nossos familiares. Eles para reconhecimento profissional.

Mas nossos ídolos levam também o nome mais comum da nossa nação: Silva. Ayrton Senna da Silva, Luiz Inácio Lula da Silva, Adhemar Ferreira da Silva e o mais recente da galeria, Anderson Silva, o "Aranha".
Adicionar vídeo
Luta ontem impecável. Da vontade até de fazer esse esporte. Vontade, só. Ele é o grande campeão da atualidade aqui no Brasil.

Parabéns Anderson Silva!! Muita força e sucesso pra você parceroo!!

Ah! Pra quem não sabe, meu nome é João Paulo Tenório da SILVA!!